Mais um pouco de Irlanda: John Boyne

Prometo que esse é o último post sobre "irlanda/irlandeses", pelo menos esse ano. Mas como eu disse no outro post, o dia de São Patrício dura vários dias e acho muito digno eu continuar falando da minha querida Irlanda, que pretendo visitar em breve!

Como da última vez dei uma dica de filme. Nesse post vou falar sobre dois escritores irlandeses que tem uma grande parcela de culpa por me fazer gostar da Irlanda e ter tanta vontade de conhece-la.



O primeiro responsável por essa minha loucura é o John Boyne. Aaaah!  O John Boyne... Tudo começou no segundo ano do ensino médio (2008) quando com um grupo de amigos da escola escolhemos o primeiro livro dele publicado no Brasil: "O menino do Pijama Listrado" - para um trabalho de língua portuguesa. 

Para o trabalho precisamos pesquisar sobre o autor e foi ai que descobri a Irlanda. Não que eu nunca tivesse ouvido falar, mas eu precisei pesquisar um pouco da terra natal do autor e comecei a me encantar. 

Voltando ao autor, há um mês eu poderia dizer que já tinha lido todas as obras dele lançadas em portguês, além do O Menino do Pijama Listrado, que são: O Palácio de Inverno, O garoto do convés e Noah foge de casa (essa foi a ordem que eu li). Tirando o último que é direcionado para o público infanto-juvenil, John Boyne adora trabalhar com romances históricos.


Como sugere o título, O menino do Pijama listrado está ambientado na segunda guerra mundial, retratando uma história emocionante de amizade contada através dos olhos inocentes de uma criança. O Palácio de Inverno já trata da Revolução Russa e conta uma história de amor entre Anastácia e um plebeu. O garoto do convés volta bastante no tempo retratando a história de um garoto órfão desbravando os sete mares na expansão marítima inglesa.

John Boyne consegue tocar o coração de todos os leitores em cada uma de suas obras, inclusive com o Noah:

"Noah tem oito anos e acha que a maneira mais fácil é NÃO pensar neles. Então ele foge, aventurando-se pela floresta. Logo, Noah chega a uma loja. Mas não a uma loja qualquer. A um LOJA DE BRINQUEDOS, cheia de coisas incríveis e mágicas. Lá ele encontra um fabricante de brinquedos bastante incomum. Ele tem uma história para contar, uma história de AVENTURA, MARAVILHAS e promessas quebradas. Juntos, eles iniciam uma viagem. Uma viagem que vai mudar a vida de Noah. E que pode mudar a sua também"

Com uma sinopse dessa, eu preciso falar mais alguma coisa?

Para ser honesta, o único que não chorei e dei uma empurrada para ler foi "O garoto do Convés", outros me envolveram totalmente e e foi impossível não derramar algumas lágrimas.  

Nossa, acabei de lembrar! Também tem O pacifista (estou lendo) que tem a temática ambientada na primeira guerra mundial. Pretendo fazer uma resenha desse livro ainda esse mês! E confesso que nem cheguei na metade e meus olhos já encheram de lágrimas! 

Recentemente, a Companhia das Letras (responsável por publicar todas as obras do autor no Brasil) lançou O ladrão do tempo e Tormenta. Na semana passada, fui na saraiva e fiquei namorando O ladrão do tempo que conta a história de um homem do século XVIII que não envelheceu mais depois dos cinquenta anos, ele acabou presenciando grandes transformações no mundo e na sua própria vida até o século XX. Eu estou louca para comprar, mas o preço ainda está um pouco salgado (mesmo me ebook). 


E pesquisando para esse post descobri que no ano passado o companhia das letras também publicou: A coisa terrível que aconteceu com Barnaby Borcket.  Outra obra voltada para o público infanto juvenil. Infelizmente, percebi que as obras dele voltada para esse público não são tão bem divulgadas. Já que encontrei o Noah sem querer na livraria do aeroporto do Londrina! 

Falando em descobertas, esse ano descobri o twitter do autor e quase morri quando ele me respondeu:


#PIREI

Talvez o John Boyne ocupe mais espaço no meu coração do que a também autora-irlandesa Cecelia Ahern, mas como esse post ficou muito grande, vou deixar para falar dela em outro post (quebrando a minha promessa de "chega de irlanda" hahaha). 

Comentários

  1. Gente!!!
    Uma vergonha da minha vida nunca ter lido um livro dele. :~
    A única coisa que li dele foi um conto de natal chamado: Dia de Folga. E ADOREI! Acontece também durante a segunda guerra.
    Legal saber que ele é irlandês (eu não sei quase nada sobre a Irlanda, vou ler seus post pra descobrir mais coisas ;) ).

    Mas agora fiquei com muita vontade de ler algo dele, tenho aqui um livro dele, acho que vou começar assim =D
    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Hahahaahahha receber um feedback desses é magnífico mesmo né?
    Nossa lembrei de palácio de inverno e o quanto o final me encantou.

    Ele realmente merece destaque e a Irlanda também. Adorei esse post.

    ResponderExcluir

Postar um comentário