Deixa as pessoas: preconceito com gênero literário?

Hoje a coluna é pra ser curta e grossa, como a resposta que todos nós precisamos dar para qualquer um que começar a bostejar qualquer tipo de preconceito do nosso lado. Hoje vamos falar de preconceito com gêneros literários e a necessidade que certas pessoas sentem de denigrir um gênero em favor de outro ou de categorizar todo um gênero como algo completamente sem prestígio e sem valor.
No final do ano passado, a internet foi tomada por debates sobre esse assunto depois que um post ridículo de um ser humano que falava basicamente o que comentei no parágrafo aí de cima. Essa não foi a primeira vez que uma discussão do gênero assolou as redes sociais e, com certeza, também não será a última. O preconceito literário existe e está sendo difundido por aí. É nossa obrigação como leitores e escritores lutar contra ele.
"Mas, Clara, o que é preconceito literário?"
Se você vive embaixo de uma pedrinha e não teve o desprazer de ver ninguém comentando nada nocivo sobre livro nenhum, t…

Dica cultural: Virei viral

Existe algo no centro do Rio que não sei se já cheguei a comentar aqui, mas ele sempre consegue te surpreender de alguma maneira. Eu particularmente adoro quando isso envolve pequenas exposições pouco divulgadas, sabe aquela portinha no último andar que te joga uma bomba de coisas lindas.



Ontem, eu resolvi ir dar uma passada no CCBB e ver o que ele tinha a me oferecer. Quando resolvi sair de casa não lembrava de nenhuma grande exposição anunciada. E chegando lá encontrei uma exposição considerável sobre o ouro na arte, mostrando várias jóias e obras de artes que utilizaram o material. Essa exposição tinha toda uma pegada valorativa sobre a arte e o ouro. Muito bonita, várias galerias, um fio de ouro é o seu guia por todo o caminho. 

Mas o que realmente me encantou foram duas exposições menores. Uma de fotografias lindas chamada "Perto do Rio Tenho Sete Anos" do fotógrafo André Gardenberg com várias imagens do pantanal e sua diversidade. A exposição vai até o dia 22 de dezembro.
Mas a ganhadora da tarde foi a "Virei Viral - Identidades e Coletividades". Pesquisando para o post descobri que essa é a segunda edição da exposição que reúne diversos artistas e expressões culturais que abordam "as facetas do ego", como diz Isabel Seixas do Coletivo Curatorial Estúdio M'Baraká no site da exposição. Essa exposição também vai até o dia 22 de dezembro e vale muito a pena, ela tem várias partes interativas e o seu objetivo é ser espalhada por ai.

No texto da Isabel Seixas podemos encontrar várias reflexões sobre o "eu" na modernidade e a curadoria foi fundo nos estudos multidisciplinares com autores e pensadores de diversas áreas da filosofia á antropologia, sociologia, psicologia (...) trazendo de uma maneira simples, mas nem por isso menos profunda, sobre questões da existência. 

Veja algumas fotos que tirei lá:









Comentários