TAG Mães da Literatura

Domingo passado, dia 10, foi dia das mães. Eu tive todo um trabalho de criar uma TAG para falar do assunto, visto que não achei na blogesfera nenhuma que me apetecesse. Eu ia gravar um vídeo. Na verdade, até gravei. Porém, estava tão gripada que ficou horrível! Então vamos lá, vou aproveitar a coluna de hoje para apresentar a TAG para vocês e para respondê-la!




TAG: MÃES DA LITERATURA

1) Mãe Super-protetora
Uma mãe que quer tanto proteger os filhos que acaba sendo chata.

Minha resposta: Raffaella, a mãe da Babi, de Três Metros Acima do Céu.

Essa mãe quer tanto proteger a filha que acaba fazendo tudo errado. Afinal, será que elas não sabem que quanto mais elas nos prendem, mais queremos fugir? E é isso que a Babi faz, óbvio. Também, quem não faria com um Step desse esperando na janela?? Acho que até a própria Raffaella fugiria!!



2) Uma mãe que não faz ideia do que está fazendo
Uma mãe que apesar de ter dado a luz, não tem mesmo a menor vocação materna e muitas vezes se comporta mais como uma irmã do que uma mãe.

Para essa categoria escolhi uma mãe que talvez muita gente não conheça, mas fica o convite. É a mãe da Amanda, de Acampamento de Inverno para Músicos (nem tão) Talentosos, o livro que eu estou postando no wattpad. 

A mãe da Amanda tem problemas com álcool e foge do tratamento como o diabo foge da cruz. Isso acaba, muitas vezes, fazendo com que ela se comporte de formas muito pouco convencionais para uma mãe, o que deixa Amanda muito envergonhada e empenhada em tentar ajudar a mãe de alguma forma.

Foi muito difícil pensar em alguém nessa categoria. Só conseguia pensar na mãe da Regina George, de Meninas Malvadas! Aceito sugestões.


3) Mãe: a melhor conselheira
Uma mãe que dá sempre ótimos conselhos para os filhos em momentos de tensão.

Eu escolhi a mãe da Mia, de Diário da Princesa.

Tanto nos livros como nos filmes, ela é ótima conselheira! Tem que ser mesmo, pra compensar o fato de que ela começa a namorar o professor da filha, ora essa!!! As duas tem muitos momentos de mãe-e-filha na escada de incêndio do prédio e a mãe dela sempre tem uma boa sugestão para as estripulias que Mia se mete. O melhor conselho de todas do filme é: não esqueça de fazer o pézinho.





4) A mãe que você queria ser/ter para seus filhos
Quando você se imagina como mãe, você se imagina como quem? Ou, quando você pensa nos seus futuros filhos, como você gostaria que fosse a mãe deles?

Eu não quero ter filhos, mas se fosse tê-los, eu queria ser igualzinha a Molly, mãe do Rony (e de todo o resto dos irmãos Wesley), de Harry Potter. Meu texto de justificativa pode conter spoilers.

Além de ser fofa, boa cozinheira, acolhedora e maravilhosa, a diva ainda mata a mulher mais odiada de todos os tempos desde que matou Sirius Black, a odiosa Belatrix.You go, Molly!!



5) Uma mãe que deveria ser eterna
Uma mãe da literatura que morreu mas que, na sua opinião, deveria viver para sempre.

Essa categoria poderia ser um spoiler ambulante, mas eu escolhi respondê-la de forma a não ser. A morte desse livro está logo na sinopse. Eu queria muito que a mãe da Brett, de A Lista de Brett, fosse eterna, porque ela é um personagem maravilhoso.

Porém, se ela não tivesse morrido, o livro não existiria, então é bem impossível. Todavia, o livro é um amor, o relacionamento das duas é maravilhoso e de certa forma, mesmo já não mais entre eles, a mãe dela se faz muito presente e isso é lindo. Leitura altamente recomendada!!




Espero que vocês tenham gostado dessa minha invenção maluca!!! Convido todos vocês a respondê-la também!! Até sexta.

Comentários

  1. Nossa tô mal de mãe! Só conheço a do Rony da tua lista... Acho que preciso ler outras cosias além de King... Ele só coloca pais e geralmente são psicóticos kkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir

Postar um comentário