Canal da Sophie Kinsella

Qualquer leitor que conhece o PN desde 2015 sabe o quanto eu adoro a autora Sophie Kinsella. Agora em maio, a Editora Record lançou o Minha Vida (não tão) Perfeita. Mas foi através do anúncio de um novo livro, que será lançado em 2018, que eu fiquei sabendo da existência do canal dela.


Até agora a autora tem apenas quatro vídeos postados no YouTube. No entanto, já é possível ver que o seu bom humor não fica apenas nos livros. Em um deles, Sophie faz uma comparação entre espiões e escritores. E o primeiro vídeo foi uma tentativa da autora falar em italiano para agradecer aos fãs que ela encontrou em sua turnê pela Itália.
Surprise Me foi o foco do último vídeo. Ela disse que tinha acabo de terminar de escrever o livro e queria dividir essa alegria com a gente. A história é sobre um casal que ao se darem conta que terão muitos anos juntos pela frente decidem que precisam surpreender um ao outro todos dias (se eu não entendi errado). Mas como estamos falando de Sophie Kinsella é claro qu…

Irlanda: O dia em que comi o café da manhã irlandês e fui "procurar emprego"

Esse foi um dia bem tranquilo, mas muito aleatório. Eu e Tani tínhamos combinado na sexta que íamos tomar café da manhã em uma das confeitarias mais antigas de Dublin, a Bewley's Oriental Café. No dia anterior, esqueci de contar no último post, também almoçamos lá. Só que eu precisava experimentar o famoso breakfast irlandês.

Irish Breakfast da Bewley's.

O lugar é realmente lindo com um estilo antigo. De manhã, no horário que fomos, estava bem vazio. Optamos por ficar no andar de cima que é mais aconchegante ainda com sua vista para Crafton Street e com uma lareira. 




Pedimos o breakfast com chá e suco de laranja. Nossa, acho que o garçon estava espantado com a quantidade de açúcar que coloquei no meu chá. E olha que não sou muito fã de chá preto, mas fiquei tão apaixonado pelo irish tea que comprei uma caixinha de chá na loja de souvenir antes de voltar para o Brasil.

Depois de lá fomos num museu de entrada franca, o National Museum of Ireland - Natural History Museum. Ele é enorme e lindo. Quando estávamos entrando, resolvi perguntar se podia tirar foto para um senhor alto e magro, ele fez alguma piada sobre e disse que sim e perguntou se aquela era a nossa primeira vez no museu. Dissemos que sim e ele explicou por alto o que e onde iríamos encontrar tudo.  



Ele perguntou alguma sobre se gostávamos de gente morta, se referindo a múmia e mostrei, talvez, uma empolgação maior do que deveria. Ele brincou: "nossa, já vi que você gosta de coisas mórbidas". 





O museu tem artefatos de todos os lugares do mundo, mas claro, principalmente da cultura celta. 

Depois dali, sem saber muito bem o que fazer, Tani disse que precisava ir numa feira de emprego que estava acontecendo no centro de convenções do lado da ponte de harpa. E lá fui eu viver intensamente todas as experiências possíveis em um mês de intercâmbio. 


Fizemos o meu cadastro na fila pelo celular, entramos, rodamos alguns quiosques, encontramos outros alunos da Emerald que também estavam correndo atrás de um emprego.  Tendo apenas o diploma de Socióloga, vi que não tinha muitas chances por ali. A maior parte das empresas era da área de tecnologia ou saúde, depois tinham uns poucos gatos pingados da área de negócios e investimentos. Sem contar que conversando com as pessoas, um inglês fluente é essencial para qualquer área. Então, não adianta você ser mega especializado na sua área, mas não ter um inglês bom o suficiente. Pelo que alguns amigos que ainda  estão por lá dizem até mesmo para um prego menos valorizado, por exemplo na área de serviço, o seu inglês fará a diferença.  Talvez eu possa falar mais disso em outro post.

Depois, passamos no Dundrum Town Center para jantar, porque eu era a homeless que não tinha família irish maneira para fazer minha comida (maldita hora que escolhi acomodação estudantil. Também posso falar mais sobre isso mais para frente). Fomos no Eddie Rockets comer um sanduba.


No dia seguinte fiz a minha primeira pré arrumação da mala. Foi o único dia que fiquei em casa. Mas mesmo estando rouca e chovendo, decidi que seria melhor eu sair para almoçar fora e fazer compras algumas coisas para minha última semana.


Depois de quase me perder, vocês não tem noção de como as áreas residenciais lá são todas iguais, cheguei num mini shopping de bairro. Pedi um Big Mac praticamente usando linguagens de sinais, já que estava sem voz. Comprei algumas coisas no mercadinho e fui pra casa morgar o resto do dia.



No próximo Post vamos começar a minha última semana. Que triste! 

Comentários