Canal da Sophie Kinsella

Qualquer leitor que conhece o PN desde 2015 sabe o quanto eu adoro a autora Sophie Kinsella. Agora em maio, a Editora Record lançou o Minha Vida (não tão) Perfeita. Mas foi através do anúncio de um novo livro, que será lançado em 2018, que eu fiquei sabendo da existência do canal dela.


Até agora a autora tem apenas quatro vídeos postados no YouTube. No entanto, já é possível ver que o seu bom humor não fica apenas nos livros. Em um deles, Sophie faz uma comparação entre espiões e escritores. E o primeiro vídeo foi uma tentativa da autora falar em italiano para agradecer aos fãs que ela encontrou em sua turnê pela Itália.
Surprise Me foi o foco do último vídeo. Ela disse que tinha acabo de terminar de escrever o livro e queria dividir essa alegria com a gente. A história é sobre um casal que ao se darem conta que terão muitos anos juntos pela frente decidem que precisam surpreender um ao outro todos dias (se eu não entendi errado). Mas como estamos falando de Sophie Kinsella é claro qu…

Irlanda: tour vip no Leprechaun Museum

Por coincidência do destino, o post 200 do blog está sendo justamente esse, com o tema da Irlanda. Lindo, não é? Por outro lado - um lado não tão feliz -, estamos dando início a última semana do meu intercâmbio. Se eu não tivesse postergado tão as postagens sobre o intercâmbio aqui no blog, com certeza, estaria na dúvida do que passou mais rápido: viver esse um mês ou escrever sobre ele. Minha ideia é não esgotar nunca as possibilidades de poder falar sobre a Irlanda. Provavelmente, irei diminuir a quantidade de post por mês, mas a Irlanda já faz parte de mim - aliás, há muito tempo - de uma maneira que não posso ignorar.



Hoje vou contar para vocês como foi a minha última segunda-feira. Não lembro o que eu a Tani fizemos, mas lembro que chegamos para a última sessão no Leprechaun Museum. O moço da bilheteria foi simpático num nível máximo de simpatia que alguém pode ter. Acho que é um pré-requisito ser feliz e animado nesse museu, por sinal. 

Era uma segunda-feira, se não me engano, o tempo não estava lá muito bom. Enquanto a gente esperava a sessão começar, fomos na Forever 21 comprar uns gorros para mim. Eu só fui descobrir a felicidade de proteger as orelhas contra o frio na última semana. 



Bem, quando voltamos na hora certa para o ínico do tour, descobrimos que só tinha a gente. Ou seja, seria praticamente um tour particular. O melhor do tour, claro, tirando todo conhecimento adquirido sobre a representação do leprechaun no cinema, as lendas envolvidas e cenários temáticos, foi a nossa guia. MEU-DE-US. Ela era praticamente uma leprechaun e ela fazia uma vozinha de leprechaun também. Pior, ela tinha a incrível capacidade de aparecer do nada. 

O museu tem algumas partes interativas, como uma enorme sala onde todos os móveis são gigantes, para a gente ter uma experiência de como é ser um leprechaun. Nessas horas, a guia deixava a gente sozinha para "curtir" o momento. E do sempre do nada - DO-NA-DA - ela aparecia: "Hi guys!". 




Mas foi muito divertido, em relação ao staff ("pessoal"), esse museu foi de longe o melhor de toda Dublin. O cara da bilheteria perguntou da onde a gente era e citou todos os personagens do folclore brasileiro. No final do tour, a gente acaba numa lojinha, e o cara da bilheteria estava lá - acho que todos os funcionários tem algum poder mágico de aparecer do nada, sério! Ele deu para mim e para Tani um mini botton e e fez questão de tirar nossas fotos com os bonecos do museu.





Uma curiosidade interessante, que eu só fui aprender na Irlanda: eles não pronunciam /lepreXaun/, mas /lepreKaun/. 

Bem, foi assim que me graduei em Leprechaun freelancer. 

Comentários