Sophie Kinsella: A "nova voz" de Madeleine Wickham

No último post, eu apresentei os primeiros livros da Sophie Kinsella, da época em que ela ainda assinava como Madeleine Wickham. Nesse post trago as sinopses dos livros que ela publicou como Sophie Kinsella, sem contar a série da Becky Bloom que é um caso a parte e merece um post dedicado só a esse universo.


Confira também os outros posts desse especial:
Mês da Sophie Kinsella -  Interviews - Como Madeleine Wickham


Posso estar fazendo uma interpretação errada, já que não li todos os livros dela publicado como Madeleine Wickham e só li alguns dela como S.K., mas acredito que quando ela disse na entrevista do TIME sobre ter uma voz nova e analisando as sinopses dos seus primeiros livros, ela mudou o foco das histórias. Apesar de sempre ter uma mulher como protagonista, os problemas que elas enfrentavam, envolviam mais questões familiares. Já como S.K., ela tenta abordar mais os problemas e dilemas que envolvem o universo feminino moderno, como carreira e relacionamentos amorosos (chick-lit).

Muitas vezes ela pode aparentar dar ao leitor um esteriótipo feminino, mas ao longo da história ela tenta desconstruir isso, pelo menos, essa é a sensação que tenho. Ela tenta mostrar que não precisamos ser a mulher bobinha que só pensa em romance, mas que podemos e devemos ir atrás do que é o melhor para nós. 

Achei estranho quando ela disse em uma entrevista que não classificaria o tipo de escrita dela como chick-lit, mas como "comédia", pois ela não escrevia pensando apenas no público feminino. De fato, as histórias que ela apresenta sempre tem um toque cômico bem forte, no entanto, acho difícil um homem ler o livro e se identificar com a personagem principal. Acho que seria capaz até de soltar umas risadas, mas acho que seria bem difícil estabelecer uma relação tão próxima com as personagens dela.

Os enredos que ela apresenta sempre segue uma linha: uma mulher jovem em começo de carreira que acaba passando por uma situação bem louca, muitas vezes surreais e geralmente envolvendo amor ou trabalho, mas que acaba tirando disso uma lição que faz como que ela veja que ela é melhor do que realmente acha que é e que é possível conciliar o amor e o trabalho de forma saudável. 

Eu particularmente gosto desse tipo de enredo e amo loucamente como S. k. consegue me fazer ficar entre sorrisos e lágrimas. Mas principalmente, porque acabo me identificando de tal forma com as personagens e acabo vendo um final feliz para minha vida também. 

Can you Keep a secret? (2003)


Em O segredo de Emma Corrigan, Sophie Kinsella segue a receita que fez da série Os delírios de consumo de Becky Bloom sucesso de público — foram mais de 35 mil exemplares vendidos só no Brasil — e crítica. Com humor e muito charme, ela nos apresenta a Emma, uma inglesa perto dos 30 anos, mas longe de uma definição na vida. Na memória ela guarda situações ultraconfidenciais: como perdeu a virgindade enquanto os pais assistiam Ben-Hur na sala de TV, o que pensa sobre o namorado, as peças que prega nos colegas de escritório, seu peso real.

The undomestic Goddess (2005)


Em SAMANTHA SWEET, EXECUTIVA DO LAR, Sophie Kinsella faz uma divertida crítica à pressa — e às pressões — da vida moderna. Com ironia e leveza, a autora mostra porque é considerada uma das principais vozes da nova geração literária na terra do velho bardo. Sucesso de público e crítica, a trama já teve os direitos comprados pela Universal. Samantha Sweet está prestes a se tornar sócia da firma de advocacia onde trabalha. Isso se ela não tivesse cometido a maior mancada de sua trajetória profissional. Um erro tão absurdamente grave, que custará à empresa milhões de libras. Completamente baratinada pelo furo, ela surta. Pega o primeiro trem para fora da cidade e vai parar na entrevista de emprego mais equivocada de sua vida. Sua natureza competitiva logo é ativada e ela decide que será contratada, sem se preocupar com o cargo. Assim, nossa heroína ganha um novo plano de carreira: como empregada doméstica de uma socialite deslumbrada. Sem nem ao menos saber como ligar o ferro de passar. Ou para que diabos serve metade dos aparelhos de uma cozinha. Mas talvez ela não seja tão incapaz como doméstica quanto imagina. Talvez, com alguma ajuda, ela possa até fingir. Será que seus patrões descobrirão que sua empregada é de fato uma advogada de alto nível? Será que a antiga vida de Samantha irá alcançá-la? E, mesmo que isso aconteça... será que ela vai a querer de volta? SAMANTHA SWEET, EXECUTIVA DO LAR é a história de uma mulher que precisa diminuir o ritmo. Encontrar-se. Apaixonar-se.

Remember me (2008)


Lexi desperta após um acidente de carro em um leito de hospital, pensando que está em 2004, que tem 25 anos, uma aparência desleixada e um namoro desastroso. Mas, para sua surpresa, ela descobre que está em 2007, tem 28 anos, é chefe de seu departamento e sua aparência está impecável. E ainda é casada com um lindo milionário! Ela não pode acreditar na sorte que teve. Mas conforme ela descobre mais sobre a nova Lexi, nota problemas graves em sua vida perfeita. E, para completar, o uma revelação bombástica pode ser sua única esperança de recuperar a memória. Sophie Kinsella é autora da série de enorme sucesso iniciada com Os delírios de consumo de Becky Bloom. A autora também escreveu O segredo de Emma Corrigan e Samantha Sweet – Executiva do lar.

Twenties Girl (2009)


A vida de Lara Lington não está nada fácil. A melhor amiga e sócia decide curtir um tórrido caso de amor em Goa, deixando o escritório de caça-talentos em suas mãos pra lá de inexperientes. Josh, o ex-namorado, ainda é uma questão mal resolvida em sua vida: ele mudou o número de telefone depois de todas as mensagens malucas que ela deixou e não quer encontrá-la para uma última conversa. Agora, além de ficar ouvindo sermão de seus pais sobre sua carreira e vida amorosa, ela tem que acompanhá-los ao funeral de sua tia-avó de 105 anos, Sadie Lancaster, que ela nunca conheceu! E ainda tem que aturar o tio bilionário, dono de uma famosa rede de cafés, que trata o resto da família como se todos fossem de uma classe inferior, prontos a pedir algum favor a ele. Lara está contando os minutos para se livrar de sua chata obrigação familiar quando o inesperado acontece: ela ouve uma moça, com seus vinte e poucos anos e com roupas da década de 20, exigindo, aos berros, que parem o funeral e que ela precisa de seu colar para descansar em paz! O problema é que, aparentemente, só Lara consegue vê-la. Dona de uma imaginação fértil, ela começa a acreditar que ficou louca de vez. Até porque, fantasmas não existem, não é mesmo? Mas este fantasma é bem “real”, e não é ninguém menos que sua tia-avó Sadie! Sem forças para resistir às ordens de Sadie, Lara interrompe o funeral e, de repente, se vê metida em uma estranha, divertida e romântica busca pelo colar, com muito Charleston, roupas de melindrosa, pérolas, plumas e o espírito libertário dos anos vinte pelo meio do caminho. Afinal, Sadie é um fantasma muito elegante, exigente e, acima de tudo, enxerido! Em MENINA DE VINTE, Lara e Sadie são duas meninas de vinte de épocas e idéias bem diferentes que vão aprender a importância dos laços familiares e da amizade.

I've got your number (2011)


A jovem Poppy Wyatt está prestes a se casar com o homem perfeito e não podia estar mais feliz... Até que, numa bela tarde, ela não só perde o anel de noivado (que está na família do noivo há três gerações) como também seu celular. Mas ela acaba encontrando um telefone perdido no hotel em que está hospedada. Perfeito! Agora os funcionários podem ligar para ela quando encontrarem seu anel. Quem não gosta nada da história é o dono do celular, o executivo Sam Roxton, que não suporta a ideia de ter alguém bisbilhotando suas mensagens e sua vida pessoal. Mas, depois de alguns torpedos, Poppy e Sam acabam ficando cada vez mais próximos e ela percebe que a maior surpresa da sua vida ainda está por vir.

Wedding Night (2013)


Ao se dar conta de que o namorado nunca vai pedir sua mão em casamento, Lottie toma uma decisão. Termina o compromisso com ele e diz o tão sonhado sim a Ben, uma antiga paixão, com quem ela havia prometido se casar se ambos ainda estivessem solteiros aos 30 anos. Os dois então resolvem pular o namoro e ir direto para uma cerimônia simples e seguir para a lua de mel em Ikonos, a ilha grega onde eles se conheceram. Mas Fliss, a irmã mais velha da noiva, acha que Lottie enlouqueceu. Já Lorcan, que trabalha na empresa de Ben, teme que o casamento destrua a carreira do amigo. Fliss e Lorcan então elaboram um plano para sabotar a noite de núpcias do casal e impedir que os noivos cometam o maior erro de suas vidas.

Não vou falar do "Finding Audrey", pois se trata de um novo marco na carreia da S. k., o primeiro YA da autora, e também acredito que assim com a série da Becky Bloom é necessário um post só sobre ele. E agora, olhando a lista de livros completa, percebi que só no li o "The Undomestic Goddess" que comprei mês passado.
(Todas as sinopses foram tiradas do site da Editora Record).

Comentários