Tapete Voador - Dia 3: Disney Hollywood Studios

Sabe aquela frase “tamanho não é documento”? Ela é certeira para descrever o Disney Hollywood Studios. O menor do complexo de parques da Disney, ele é um parque perfeito para você fã de filmes.

Com cara de estúdio de cinema, o antigo MGM Studios agora é Disney. Foto: Acervo pessoal

Costumo dizer que não poderiam ter escolhido melhor época para reacender o fogo da paixão que existe dentro de todo fã de Star Wars (Guerra nas Estrelas). Com todos os direitos comprados, a Disney é uma dona que sabe muito bem vender o seu negócio. Fãs de Star Wars piram com tanta referência. Agora, se você não liga muito para as lutas intergalácticas contra o Império, não se preocupe. Pule a área reservada aos sabres de luz, como o simulador espacial do Star Wars - The Adventure Continues. Fiquei sabendo que a aventura pode não ser a mesma de anos anteriores, mas garanto que, para quem curtiu o mais recente filme da saga (O Despertar da Força, 2015), pode ficar tranquilo, pois os personagens novos estão por lá.


Na entrada do simulador tem um espaço dedicada ao treinamento Jedi. Aqui no Brasil, já passaram por alguns shoppings espaços Star Wars que levam esses “ensinamentos” de uma maneira mais resumida. Lá, várias crianças se vestem de padawans e podem conferir tudo bem de pertinho no palco. Mas só crianças, ok? 

Ainda dedicado à franquia, temos o Star Wars: Path of the Jedi que nada mais é do que resumo de todos os sete filmes, contando a trajetória dos Skywalkers para atingirem o poder máximo da Força (Sith e/ou Jedi). Filmezinho curto e que não contém spoilers sobre o sétimo filme. Por fim, no outro lado do parque, na área chamada Animation Court Yard, o Lauch Bay é quase um museu para fãs. Com roupas, miniaturas e curiosidades, é lá que o Chewbacca e o Darth Vader estão lhe esperando para tirar uma foto bem legal. E tem também um vídeo que mostra os bastidores e como uma nova geração está ajudando a produzir o futuro da saga.

Ufa! Para sair um pouco do espaço e colar os pés no chão, o Indiana Jones é perfeito para essa tarefa de pisar na terra (sim, pense no trocadilho). Com o Indiana Jones - Epic Stunt Spectacular, o público confere os bastidores de um filme de ação e vê os dublês trabalhando duro para manter a magia do cinema. Muitos efeitos especiais, pulos extraordinários e piadinhas.

Não sei isso ainda pode ser considerado terráqueo, mas no Pixar Place você pode ir ao infinito e além com o Buzzlighter e o Woody no Toy Story Midway Mania. Uma atração que eu estava louca para ir, mas na época que eu fui estava fechado para manutenção (chorei litros). para resumir é um jogo de tiro ao alvo, estrelado pelos personagens da animação. 

Voltando ao Court Yard, tem uma das atrações mais cheias do parque. Bom, pelo menos, o estacionamento de carrinhos de bebê tinha fileiras e mais fileiras que não me deixam mentir. O Disney Junior - Live on Stage é mais uma apresentação para as crianças com os personagens do canal Disney Junior. Por falar em apresentações musicais, o Hollywood Studios tem vários como os da Pequena Sereia, Frozen e a Bela e a Fera. Não fui em nenhum, mas parece ser bem encantador.

Por último, mas não menos importante, vem a parte com emoção: as montanhas-russas! Desde a entrada do parque, é possível encarar a Torre do Terror (The Twilgiht Zone Tower of Terror), ou só um pedaço do topo do prédio. Por meio desta eu confesso que amarelei nessa. Naquela altura do campeonato eu já tinha aprendido o que me fazia mal. O sobe e desce constante com certeza me deixava muito enjoada. Sem estragar o momento dos outros, meu tio e meu primo enfrentaram sozinhos a torre e gostaram muito. “Pensei que fosse pior”, disseram eles. Mas, mais para frente, vamos rediscutir o conceito deles do que é ruim ou não (fica no ar essa polêmica).

Do ladinho da Torre, temos mais uma atração que entrou na lista de “preciso de repeteco”. A Rock ‘n’ Roller Coaster Starring Aerosmith entrou no meu top de favoritas. Eu estava muito tensa, devo confessar isso também. Para quem não lembra ou não estava por aqui nesta coluna nas semanas anteriores, eu levei para casa da minha primeira volta em uma montanha-russa um torcicolo digno de cuidados diários com Salompas. E quando fui a este parque já estava quase curada. Imagine, então, o que passou pela minha cabeça quando entrei na fila? Será que ia precisar de mais remédio? 

A tensão diminui quando dei um tchauzinho para o Aerosmith e eles disseram que iam levar a gente para uma carona, mas só nessa parte, tá? Carro após carro, gritos após gritos, entramos em nossa limousine especial. É uma ansiedade danada esperar a vez. Quando o sinal fica verde, o carro vai de 0 a 100 em 3 segundos (não sei números reais, apenas sentimentos) e começa a viagem. Aquele friozinho na barriga por não enxergar o desconhecido, misturado a velocidade que se passa pelas placas de neon no meio do caminho e ainda de quebra passear ao som de Aerosmith é emocionante. Cantei o que deu quando eu lembrava a letra. As curvas acentuadas e pouco sobe-desce fizeram desta montanha-russa uma das melhores para mim.

Já diria Rihanna: "Shut up and drive drive drive!" Foto: acervo pessoal


Se você também tem experiência ruim com muito sobe-desce de montanha-russa deixa seu comentário para que não me sentir sozinha nessa maluquice que meu labirinto me proporcionou. Ah, e sei você também já viu as atrações musicais no parque e quer deixar o registro para este humilde espaço fique à vontade.

Para fechar o dia (e o parque) tem mais show de fogos e luzes bem no jeitinho Disney. Esse é pra lá de especial porque é praticamente uma Guerra nas Estrelas real. Sabe, fogos de artifício... Estrelas... Enfim, pra completar o show tem a Star Wars Symphony, com a trilha intergalácticas mais famosa do universo.

video



Comentários

  1. Uau, deve ser o máximo!! Queria muito conhecer!
    Bj e fk c Deus.
    Nana
    http://nanaeosamigosvirtuais.blogspot.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário