Como a música influencia nossa escrita

Olá, amores!
Quem já leu algum livrinho meu ou conhece pelo menos os títulos, deve saber que a música tem muita influência nas minhas histórias. Afinal, não é a toa que eu tenho um livro chamado Acampamento de Inverno para Músicos (nem tão) Talentosos. Tiete! também é um livro muito musical e Chinelo e Salto Alto tem uma quote de música na abertura de todos os capítulos. E, além disso, todos os meus livros tem uma playlist lá no Spotify.
Mas, mesmo assim, o link pode não parecer tão claro. E, obviamente, nossos processos criativos podem ser diferentes e você pode ter horror só de pensar em misturar música com literatura. Se for esse o caso, talvez essa coluna não seja para você. Porque hoje quero falar sobre como a música influencia meu processo de escrita e me ajuda a produzir melhor.




A música funciona basicamente de três formas principais para mim: 
a) Música como forma de inspiração quando estou bloqueada As playlists são para que os leitores possam imergir na história, é claro, ma…

O diário de uma (quase) caloura: Malas prontas

Eu pensei em fazer um Post avulso sobre esse momento da minha vida. Mas acho que se encaixa muito bem no "O diário de uma (quase) caloura". A idéia desse diário era reunir posts sobre as minhas experiências na universidade, carreira e planos de vida.



Bem, no momento estou de malas prontas para (quase) sair de casa. De fato, estou saindo de perto da minha mãe, que tem sido meu porto seguro há 24 anos, mas também não é como se eu tivesse indo morar sozinha ~ ou pra rua da amargura.

Já estou oficialmente formada há um ano e (quase) meio. E não consegui nada ~ nem entrevistas. Eu sei que a minha primeira graduação não é um chamariz de oportunidades ~ o povo nem sabe o que sou. Enfim, as únicas oportunidades que tive nesse meio tempo foram de estágios referentes a minha segunda graduação,  mas já estava com a faculdade de comunicação trancada.

Eu realmente quero terminar essa faculdade, seja como for. Se eu tiver que trabalhar para isso, que seja também! Sou jovem e sei que tenho muito para aprender ~ por mais que aquela vozinha na minha cabeça fique repetindo que estou velha.

Eu meu coração está um pouco apertado de ir embora da Cidade Maravilhosa, que apesar de tudo, é fantástica, principalmente em termo culturais. Mas o que adianta eu continuar aqui se não vou poder usufruir disso? ~ ficar pobre e deprimida, não rola.

Não estou encarando essa mudança como algo definitivo, e sinceramente, nem sei ainda no que vai dar de verdade. Só sei que preciso tentar, preciso voltar a acreditar em mim.

Eu sei que como os meus amigos e minha família, os leitores e amigos do Psicose também irão me apoiar. Então,  agradeço desde já toda a energia positiva de vocês.

Em breve, volto com o "O diário..." para contar mais sobre essas novas experiências.



Comentários