Canal da Sophie Kinsella

Qualquer leitor que conhece o PN desde 2015 sabe o quanto eu adoro a autora Sophie Kinsella. Agora em maio, a Editora Record lançou o Minha Vida (não tão) Perfeita. Mas foi através do anúncio de um novo livro, que será lançado em 2018, que eu fiquei sabendo da existência do canal dela.


Até agora a autora tem apenas quatro vídeos postados no YouTube. No entanto, já é possível ver que o seu bom humor não fica apenas nos livros. Em um deles, Sophie faz uma comparação entre espiões e escritores. E o primeiro vídeo foi uma tentativa da autora falar em italiano para agradecer aos fãs que ela encontrou em sua turnê pela Itália.
Surprise Me foi o foco do último vídeo. Ela disse que tinha acabo de terminar de escrever o livro e queria dividir essa alegria com a gente. A história é sobre um casal que ao se darem conta que terão muitos anos juntos pela frente decidem que precisam surpreender um ao outro todos dias (se eu não entendi errado). Mas como estamos falando de Sophie Kinsella é claro qu…

Esquenta do Oscar: Sing Street - música e sonho

Alguém aqui já está animada para o Oscar! Os indicados só saem dia 24 de janeiro, porém, eu já tenho algumas apostas para alguns indicados - ou que pelo menos estou torcendo para eles aparecerem em alguma categoria. Fiz um post apresentando alguns ganhadores do Golden Globes, mas aproveitei para ir um pouco além na minha lista de filmes que quero ver e coloquei alguns indicados. Entre eles estava "Sing Street", indicado a melhor filme na categoria musical/comédia. Como já sabemos, La La Land levou o prêmio - e muitos outros. Mas vamos ao que interessa!


"Sing Street" é um filme que retrata a adolescência irlandesa nos anos 1980 através de Conor. O menino é transferido de colégio pelo pais que passam tanto por uma crise econômica quanto conjugal. Eis que nesse novo colégio só para garotos dirigido por padres, Conor começa a ser perseguido por um valentão e encontra a sua primeira paixão, uma menina misteriosa que mora na casa em frente ao colégio. Ele descobre que ela é modelo e acaba oferecendo uma vaga no videoclipe da banda dele. Só que ele não tem uma banda! Após encontrar um aliado, ele decide montar uma banda para conquistar a garota.


O filme é recheado de referências pop da época e o irmão mais velho do Conor é o principal responsável por influenciá-lo musicalmente e nos contextualizar nessas referências. A relação dos dois irmãos é um dos pontos fortes do filme. É muito legal ver os conflitos e ao mesmo tempo a cumplicidade entre eles. Bem diferente da relação que eles tem com a irmã do meio, talvez por ser mulher, e os pais, que são mais velhos e já têm os próprios problemas. 

Raphina, a "mocinha" do filme, é uma jovem que sonha em sair da Irlanda em crise para viver na Londres cheia de glamour como modelo. Gostei bastante da trajetória da personagem ao longo do filme que aposta alto em seus sonhos, que parece querer ser mais velha do que é e o seu humor sexy, mas que depois mostra ser apenas uma menina sonhadora. Eu poderia dizer que ela saiu de um filme do John Hughes (diretor/roteirista estadunidense de filmes para adolescentes nos anos 80/90), com certeza!

Outro ponto legal no filme é que a Sing Street, a banda, muda bastante durante o filme. Conforme coisas vão acontecendo na vida do Conor, ele sente que precisa mudar suas referências. E quando ele decide mudar, não é apenas o estilo musical, mas da cabeça aos pés. Ele passa por referências como The Cure, A-ha, Duran Duran, The Clash, Hall & Oates, Spandau Ballet, e The Jam. E os clipes que eles decidem fazer são o máximo!



O filme é todo ambientado na Irlanda e você nem imagina a nostalgia que senti. Toda hora eu gritava: "Eu estive nesse lugar!" (clique no link para ver um pouco do meu intercâmbio). Eu cheguei ir algumas vezes em Dalkey, uma das regiões portuárias que aparece bastante no filme. Fiquei louca vendo os prédios feito de tijolinhos todos iguais com suas portas características, os becos e o trem em sentido a Howth que passa pela costa dublinense e acho que tiveram algumas cenas gravadas em Dun Laogharie... - saudade

Em 2007, o filme Once, dirigido também pelo irlandês John Carney, ganhou o Oscar de melhor canção original. Então, prevejo coisa boa vindo para o Sing Street. Até mesmo porque as músicas originais da banda no filme foram escritas por veteranos dos anos 1980 e um delas até teve uma mãozinha do Adam Levine, vocalista do Maroon 5. 

Se você gosta de música, filmes e tudo mais dos anos 1980, esse filme é mais que certo para você. E sabe o que é o melhor? Ele está no catálogo da Netflix! Então, aproveita.  

Comentários

  1. Adoro essas coisas dos anos 80! Fiquei com vontade de assistir e já ia jogar no Google até ler que está no Netflix, agora com certeza eu vou ver! <3
    Muito boa a indicação, arrasou!


    Beijinho,
    www.vitaminatrendy.com

    ResponderExcluir
  2. Oi, Nina!
    Eu vi recente na Netflix, mas não sabia que era tão recente assim! Já vou procurar pra assistir porque não resisto a um filme com muitas referências musicais.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  3. Adoro essas histórias que levam a gente para os anos 80 <3 preciso ver esse filme!

    Bjinhos,
    ❥ AmigaDelicada.com.br

    ResponderExcluir
  4. Oi Nina, tudo bem?

    Não conhecia o filme e adorei saber um pouco mais sobre a história. Vou procurá-lo na Netflix e ver se gosto dele, a temática me interessa bastante!

    Beijos,

    Gnoma Leitora

    ResponderExcluir
  5. Oi Nina!! Eu não conhecia o filme, mas parece ser bom mesmo!
    Beijos,
    Sonho Inverossímil

    ResponderExcluir
  6. Oiii Danoninhaaaa

    Eu lembro de ter visto esse filme no Netflix, mas não assisti.
    Mas vou ver sim!! *-*

    Beeeijoooos

    ResponderExcluir

Postar um comentário