Jardim Feminista: Sem artifícios

"Nariz de Bruxa!"
"Que pele horrível!"
"Nossa, você está péssima hoje"
"Na lista de garotas mais bonitas da sala, você é penúltima, 
porque a última é o Joãzinho"
"Por que você não esconde sua orelha?
Acho que ficaria melhor!"

Quem nunca ouviu, ou pior, disse para si algo parecido com isso? Se olhar naturalmente no espelho fica cada vez mais difícil, dia após dia, quando deixamos de ser criança. Calma que não vou levantar a bandeira contra maquiagem. Pelo contrário, eu adoro - mesmo julgando bem mal minhas habilidades. Mas ficar bem consigo mesmo sem qualquer artifício é muito importante e esse é o meu ponto hoje.




Essas frase que falei ali em cima são baseadas em coisas que ouvi durante a vida e que falei para mim enquanto me encarava todo dia de manhã. Não vou mentir, ainda tenho os momentos "selfies noway today" e acho normal a gente ter esse dias - Dias! Okay? Não uma vida.

Acho que o principal ponto que fez eu me "desaprisionar" um pouco de todos esses sentimentos ruins em relação a minha aparência foi buscar novas referências. Mulheres que estão aí na mídia, em cargos de liderança, que são reconhecidas por muito mais que suas aparências, mais ainda assim são reconhecidas por sua beleza. Meio louco isso, né? Vou explicar.

Barbara Strauss

Vamos começar pelo complexo que tive na minha adolescência. Por incrível que pareça, meu nariz não era assim com oito anos. De repente, ele criou um osso enorme que de perfil parece um calombo. Pensei em fazer cirurgia - for real! Falei com um médico e tudo. Depois de alguns anos passei a pensar, um, nas consequências, afinal, é uma parada super invasiva. Dois, existem atrizes e - quem diria - modelos com o nariz muito parecido com o meu - que mundo pequeno né?

Okay que muitas acabam caindo na cirurgia, BUT elas são consideradas bonitas, mesmo antes de retocar o nariz. E, por que também não podemos nos considerar belas com narigão? Mais uma vez, esse não é um protesto contra cirurgias plásticas. A questão é fazer nossas escolhas por conta própria e independente de padrão estético imposto.

Keira Knightley

Também foi assim com a orelha de dumbo. Não,  minha referência não é mais o elefante do desenho animado, mas foi por muito tempo. A lista vai longe: peito pequeno, meio raquítica, cara de criança, imperfeições na pele - chegamos em outro ponto. Quantas vezes não corremos para ver aquelas manchetes de fofoca: 

"Veja fulaninha sem maqueigem"
"Fulana quase irreconhecível sem make."

Alicia Keys

Pera. Aquilo que vemos nas revistas e filmes não é de verdade? Elas não têm aquele pele super glamour? Então... não! Mas tá aí outro erro, elas não estão irreconhecíveis. Não usar maquiagem não as tornam um alienígena sem o disfarce dos filmes MIB. Elas apenas estão sem os artifícios, mas não deixam de ser belas. Minhas referências não são mais as revistas de fofocas que pegam as celebridades em momentos mega escrotos e dizem: "olha como ela é feia quando não usa maquiagem!". Minha referência são as próprias mulheres que são mães, ativistas, pessoas normais que não usam maquiagem 24h por dia e nem por isso deixam de ser maravilhosas.

Acho que devemos fazer o que é melhor para nós, seja usar maquiagem ou não, seja colocar silicone ou não. Os artifícios que usamos não importam tanto, mas sim como nos enxergamos sem eles. E por que não podemos ser belas também ao invés de "irreconhecíveis"?  

Comentários

  1. Belas palavras!
    É bem assim, a mídia bombardeia e faz alarde quando tal famosa está sem maquiagem como se isso fosse coisa de outro mundo e o pior é que a gente fica curiosa pra ver!
    É terrível que só mulheres sejam cobradas em relação à perfeição, ao uso de maquiagem e realização de cirurgias estéticas. A gente vai aprendendo desde pequena o que é "certo" e o que é errado. :/ eu até gosto de mim sem maquiagem, na verdade não uso muito, mas tenho sérios problemas com o meu corpo, embora eu veja outras mulheres com o corpo parecido e ache elas maravilhosas.
    Vai entender...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que a insegurança sempre rola, Kemmy. O ponto é não deixar isso consumir a gente. Esses dias eu sai com as minhas amigas e fiquei muito triste delas só apontarem as "coisas ruins" que elas tinham, sendo que não são coisas ruins, são coisas que todo mundo tem e okay ter. É muito duro ter que lutar com todo isso, mas é uma batalha diária que não podemos esquecer, não podemos deixar que isso tudo nos consuma.

      Excluir
  2. Nina, que texto incrível! Adorei a forma como você o conduziu e os exemplos que você usou. Keira ❤
    Me identifiquei com o texto no geral, também tenho características que antes eram problemáticas pra mim. E sim, devemos fazer apenas o que é melhor para nós. Mesmo sendo tão difícil algumas vezes.
    Mais uma vez, preciso elogiá-la: texto fantástico!
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Thami! Fico feliz que o texto tenha te inspirado de alguma forma. Acho que é sempre bom conversarmos sobre essas coisas, porque a negatividade sempre é majoritária. É bom lembrar que somos muito mais do que imposições da sociedade. beijos

      Excluir
  3. Nina, que texto incrível! Adorei a forma como você o conduziu e os exemplos que você usou. Keira ❤
    Me identifiquei com o texto no geral, também tenho características que antes eram problemáticas pra mim. E sim, devemos fazer apenas o que é melhor para nós. Mesmo sendo tão difícil algumas vezes.
    Mais uma vez, preciso elogiá-la: texto fantástico!
    Beijos

    ResponderExcluir

Postar um comentário