Nós não somos inimigos

Eu sou bastante distraída e costumo usar o facebook só para interagir com meus leitores, amigos e assistir vídeos fofos de animais (sou aloka dos bichinhos). O que eu quero dizer com isso é que raramente fico ciente das chamadas 'tretas literárias', só fico ciente dos acontecimentos porque aparecem pessoas na minha timeline falando sobre a existência delas... Cada dia uma treta literária diferente, tão cansativa e fazendo tão mal pro psicológico quanto nossos 7x1 da vida pessoal de cada dia (e daquele 7x1 da Copa, né?).

O que custa sermos todos amiguinhos?
Às vezes, porém, a treta chega mais perto do que eu espero. Bate na porta. E eu assisto de camarote os eventos - isso quando não acabam me jogando para dentro deles. Até eu, que sou uma ser humana conciliadora por formação e por signo (libriana, né mores?) fico querendo morrer. Desculpa gente, na verdade, esse texto é o só um desabafo: estou exausta. EXAUSTA.

E-X-A-U-S-T-A
Tá para nascer mercado mais difícil que o literário nacional e as pessoas ainda parecem querer piorar nossa já difícil situação criando inimizades, fazendo textão ofensivo aos colegas escritores no facebook ou mandando indiretinhas típicas de quem ainda tem 12 anos... Socorro!

Deixa eu contar um segredo: você não é obrigada a gostar de ninguém. Recomendo, inclusive, que você leia esse texto da Nina aqui no blog, que fala sobre o assunto. Mas deixa eu contar outro segredo: não gostar do seu colega literário não te dá o direito de difamá-lo, de xingá-lo publicamente ou de desmerecer o trabalho dele para enaltecer o seu. 

Não seja um hater, tá bem?
Ao invés de ouvir uma fofoca ou ver algo que não te apetece e já ir tirando conclusões precipitadas, será que não valia mais a pena chamar para conversar? As poucas tretas que eu tomo conhecimento seriam bem mais facilmente resolvidas e bem menos polêmicas se os envolvidos sentassem para conversar ou tivessem um chat simpático na inbox.

Po, gente! O que custa ser empático, simpático e dar uma chance para seus colegas de escrita? Vamos parar de inferir que só tem gente ruim no mercado e que tá todo mundo tentando puxar o tapete um do outro ou é exatamente nessa realidade que vamos acabar indo parar.


Tem muita gente incrível no mercado e que dá dando suor e lágrimas para crescer de maneira justa e digna. Esse ambiente hostil criado por poucos não só não faz bem a ninguém como também deslegitima a literatura nacional perante leitores e até mesmo editores. NÓS NÃO SOMOS INIMIGOS. Nós somos colegas de profissão! Nós, juntos, estamos ajudando a abrir o mercado para mais livros nacionais, conquistando novas editoras e compartilhando leitores. É claro que juntos somos mais fortes do que separados pelos nossos egos.

Então, fica o apelo. Por favor, por favorzinho, vamos ser mais profissionais, mais empáticos e mais respeitosos? Vamos diminuir essa quantidade de treta desnecessária e lesiva e guardar nossas energias para lutarmos juntos pela melhoria do nosso mercado? Seria incrível. Eu sei que, bem no fundo, você concorda comigo.

Comentários

  1. Apesar de compreender o quanto é difícil mudar a realidade em que nos encontramos, torço pra que o mercado literário seja sim um ambiente de mais respeito e valorização do próximo

    ResponderExcluir

Postar um comentário