Resenha: Flores Partidas

Eu queria ter resenhado esse livro para a vinda da autora Karin Slaughter na Bienal do Livro Rio desse ano, mas todos os meus planos de leituras foram por água abaixo quando descobri que o trajeto da minha casa para o evento consumia 4 horas do meu dia - pelo menos. Mas com certeza, a vinda da autora e o bate papo que eu pude presenciar com a mediação da Frini Georgakopoulos fez com que admiração por Karin e a curiosidade pelo livro só aumentassem.


Falar sobre Flores Partidas, agora mais próximo do Halloween é bastante pertinente. Não estamos falando de um livro de terror, mas o suspense e momentos de tensão são muito bem trabalhados nessa trama e essa pode ser uma ótimo pedida para quem está procurando um suspense policial para essa época do ano. 


A história começa um pouco lenta - e confesso que a letra miudinha que a Harpercollins Brasil usou na diagramação do livro não ajudou muito -, mas se você tiver um pouco de paciência as peças vão se encaixando aos poucos. Sem contar que a leitura é válida simplesmente pelas temáticas abordadas por Karin Slaughter, que abrem espaço para vários debates. 


Durante os capítulos acompanhamos perspectivas diferentes da história: através de cartas feita pelo pai, Sam, para a filha mais velha desaparecida há mais de vinte anos, Julia; e o reencontrar das irmãs mais novas, Lydia e Claire, após o assassinato do marido de Claire. No meio da trama, também temos o desaparecimento de uma nova jovem. O ponto do livro é descobrir a conexão entre o sdesaparecimentos e o assassinato do marido de Claire. 


O mais interessante do livro é ver como Karin Slaughter retrata as irmãs Lydia e Claire, que se afastaram e seguiram sua vidas de formas completamente diferentes e que acabam se unindo novamente para investigar os segredos que envolvem esses acontecimentos. Prefiro não dizer o real motivo para o afastamento dessas duas irmãs, por motivos de achar que isso é um spoiler. Mas é importante você saber que Claire se casou com um milionário, tem uma vida toda glamorosa e perfeita. Enquanto, Lydia é mãe solteira, namora um ex-presidiário e tem um histórico de problemas com drogas. 

Como eu disse, a trama vai se desenvolvendo e se mostrando aos poucos. Não espere uma leitura mastigada e esteja sempre preparado para algumas reviravoltas. Com certeza, Lydia com suas tiradas sarcásticas e tendo que lidar com um grupo de mães socialites é a melhor parte da história. Mas não se engane sobre Claire, ela também tem a sua importância no desenrolar da história. 


Para complementar essa leitura, a Harpercollins Brasil disponibiliza gratuitamente o ebook A garota dos olhos azuis, que conta mais detalhes do desaparecimento de Julia. E tirando as letras e espaçamentos que achei um pouco ruins - para mim, eu, euzinha -, a Harpercollins arrasou criando uma jacket (capinha) que "muda" a capa! O design das capas e o material gráfico utilizado estão realmente impecáveis. 


Mais sobre o livro

Título original: Pretty Girls
Autora: Karin Slaughter
Ano: 2017
Editora: Harpercollins Brasil
Páginas: 400

Comentários

  1. Oi, Nina!
    Amo reviravoltas! Parece que melhora bem mais a leitura.
    Confesso que por agora não tenho vontade de ler, mas não descarto a possibilidade.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir

Postar um comentário