Como a música influencia nossa escrita

Olá, amores!
Quem já leu algum livrinho meu ou conhece pelo menos os títulos, deve saber que a música tem muita influência nas minhas histórias. Afinal, não é a toa que eu tenho um livro chamado Acampamento de Inverno para Músicos (nem tão) Talentosos. Tiete! também é um livro muito musical e Chinelo e Salto Alto tem uma quote de música na abertura de todos os capítulos. E, além disso, todos os meus livros tem uma playlist lá no Spotify.
Mas, mesmo assim, o link pode não parecer tão claro. E, obviamente, nossos processos criativos podem ser diferentes e você pode ter horror só de pensar em misturar música com literatura. Se for esse o caso, talvez essa coluna não seja para você. Porque hoje quero falar sobre como a música influencia meu processo de escrita e me ajuda a produzir melhor.




A música funciona basicamente de três formas principais para mim: 
a) Música como forma de inspiração quando estou bloqueada As playlists são para que os leitores possam imergir na história, é claro, ma…

Mais um desabafo para não perder o costume

Desde o final do ano passado parece que eu entrei em uma nova fase da minha vida. E o PN, mal ou bem, sempre foi um lugar que sempre divido as minhas histórias - e angústias também. Tá. Mais angústias do que qualquer coisa. Mas tamo aí juntos!


A questão é que hoje, lavando louça (aliás, um ótimo momento para se pensar na vida), eu cheguei a conclusão do quanto nada é certo nessa vida. Meu principal motivo para pensar isso foi que eu comecei a trabalhar (não sei se falei disso por aqui), mas é um job temporário. Eu estava muito animada. Na realidade, ainda eu estou! Mas saber que isso pode acabar a qualquer momento dá um friozinho na barriga. E conversando com amigos e colegas, ninguém está realmente com o emprego 100% garantido. Não é como sentir esse medo fosse um "privilégio" meu. 

Demorei muito para conseguir alguma coisa depois da graduação e eu cheguei até a cogitar a fazer outra faculdade. Na realidade, eu fiz um semestre inteiro de outro curso, mas tive que trancar. Sabe como é, a vida... Agora estou pensando em fazer uma especialização de um ano e mestrado em futuro próximo. Mas as vezes aquele friozinho na barriga ataca e fico perguntando: será que vou mesmo?

Em outros tempos provavelmente eu entraria numa bad vibe horrível remoendo essas coisas "ruins" que ainda não aconteceram, sejam coisas que estão além de mim ou que falharam por pura responsabilidade minha. Mas é como eu disse: (calma), ainda não aconteceram. Tento manter isso em mente e seguir em frente. 

Se por acaso você também estiver com esse sentimento de insegurança forte no peito, seja lá por qual razão, respira fundo. Se planeje, mas não sofra por antecedência. A vida as vezes trazem possibilidades melhores e, muitas vezes, completamente diferentes daquilo que imaginávamos. E no final das contas, saiba que você não está sozinho. 

Comentários

  1. Escreveu minha história!
    Tamo junto! 😂😂😂
    Bjo
    www.omundodatutty.com

    ResponderExcluir
  2. Oi, Nina!
    As melhores epifanias vêm quando estamos lavando louça ou no banheiro haahahhaha Pelo menos é o que acontece comigo.
    Menina, eu estou nesse limbo de quem acabou a faculdade mas não está fazendo mais nada da vida.. Mas como você, tento manter a calma.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir

Postar um comentário