Manual resumido de como enfrentar seus medos

Acabei de encontrar um rascunho entre os posts do meu blog com (apenas) a seguinte frase: "Sobre o medo tornarem as coisas maiores do que são". O que é louco, pois hoje fiquei pensando bastante como eu me tornei uma pessoa comunicativa sendo super mega blaster omega tímida. E acho que uma coisa tem tudo a ver com a outra.


Você já parou para pensar nas diversas coisas que você não fez ou deixou de falar simplesmente por medo? Não estou falando do tipo de medo de morrer literalmente por algo que você possa vir a fazer ou se posicionar - infelizmente, até hoje (porque, com certeza, isso não é de hoje!) expressar seus ideais pode ser um passaporte para o caixão. Eu estou falando do medo da vergonha, do fracasso, da decepção, do julgamento alheio e seus derivados.

Mais uma vez, como das diversas outras que vim aqui conversar com você nos meus posts de desabafo ou reflexão, o que vou dizer aqui não significa que eu esteja aplicando na minha vida 100%, ou que a partir dessa conclusão que eu zerei todos os meus problemas. Não, ainda não existe uma fórmula perfeita de como encarar a vida. Desculpe se era isso que você procurava nesse post. 

Eu terminei a faculdade com muitos medos. Confesso que o início de um ambiente político e social  (e, ainda acrescento, pessoal) em crise também não ajudou muito nas minhas loucuras. Eu sempre me diminuía frente aos problemas, que pareciam obstáculos inimagináveis de ultrapassar. Vou dar um exemplo mais concreto: eu nunca me imaginei fazendo mestrado pelo simples medo de não me achar boa suficiente para isso. 

Consigo ouvir alguém aí do outro lado da tela dizer: Oi? Alguém manda essa menina calar boca. Como assim ela acha que não é capaz de fazer algo que nem tentou?

Medo. E, de fato, não é algo que eu solucionei da noite para o dia. Não acordei um belo dia e pensei: Esse é o ano que vou fazer o processo seletivo para o mestrado. Mas conversei com muitas pessoas, tirei muitas dúvidas, ouvi opiniões de vários lados. 


Também tentei me ouvir nesse processo para saber se era puro medo, ou se realmente não era algo que eu queria. Aos poucos esse medo enorme que tornou a uma futura conquista do mestrado algo tão impossível e mirabolante foi diminuindo. Aliás, eu acabei de iniciar uma especialização que tem como intuito me ajudar justamente nesse processo de auto-confiança. Mal as aulas começaram e eu tenho sentido que esse realmente pode ser o caminho que eu quero seguir (não que eu não possa mudar de ideia a qualquer minuto e espero não ter medo disso também, se vier acontecer).

Sobre eu me achar mais comunicativa. Eu sempre fui muito tímida (sou ainda!), mas eu descobri que deixar essa barreira crescer na nossa frente e não falar com os outros torna tudo mais difícil. E o silêncio pode ser um grande aliado do medo

Foi falando sobre as minhas ideias de projeto e trocando ideias com outras pessoas, até mesmo pessoas que eu nem conheço direito - e que poderiam muito bem me considerar uma maluca (não que eu não seja) -, que ajudou justamente na minha confiança em seguir a trajetória acadêmica. Se vai dar certo, se ainda vou querer isso mais para frente? Aí são outros capítulos da história, a questão é que eu não posso deixar que o medo torne as situações maiores do que elas são ao ponto de eu achar que não sou capaz. E você também. :) 

Comentários